quinta-feira, 18 de agosto de 2011

GOVERNO DITATORIAL: O ESTADO NOVO




Em novembro de 1937, Vargas ordenou o fechamento do Congresso Nacional, impôs o fechamento do Legislativo, suspendeu a Constituição e instituiu uma nova Constituição, autoritária para o país, a Constituição de 1937. Assim iniciava o Estado Novo.

CONSTITUIÇÃO DE 1937
A Nova Constituição era uma carta outorgada, escrita pelo magistrado Francisco Campos e inspirada nos modelos fascistas europeus, sobretudo na Polônia,daí ter recebido o nome de “polaca”.O texto ordenava a concentração de todos os poderes nas mãos do presidente, e suas principais características eram:
• Eliminação da federação e de todos os hinos, bandeiras, escudos e armas estaduais e municipais
• Nomeação, pelo presidente, de interventores para os estados
• Direito do presidente de modificar a Constituição e governar por decretos
• Proibição de greves e intervenção nos sindicatos
• Introdução da pena de morte
Alem de fechar todos os partidos políticos inclusive a Ação Integralista Brasileira (AIB) que o havia auxiliado no Plano Cohen, o que frustrou os planos dos integralistas causando revolta entre os mesmos. Assim, em 11 de maio de 1938, um grupo de cerca de 80 integralistas tentou invadir o Palácio da Guanabara, residência oficial do presidente da República, no episódio que ficou conhecido como Levante Integralista. O objetivo era depor o presidente e reabrir a AIB, o que acabaram não conseguindo, com o saldo final de vários presos e mortos. O partido seguiu fechado durante todo o governo de Getúlio e o presidente, longe de ser afastado do poder, sufocou a rebelião.
Vargas utilizou uma variedade de recursos de propaganda durante seu governo e conseguiu a colaboração de artistas e intelectuais (podemos observar isso quando ele obteve o apoio de compositores famosos que lhe fizeram musicas engrandecendo o governo, também utilizou de um grupo formado por nacionalistas extremados chamados de Verde-Amarelo para exaltação de sua ideologia). Vargas criou o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), órgão responsável de coordenar a propaganda oficial e censurar os meios de comunicação.
O rádio, que iniciara no Brasil em 1923, começou a se popularizar no país e tinha por objetivo contribuir para a formação cultural da população brasileira, com o tempo passou a desempenhar o papel de entretenimento. Alguns artistas passaram a fazer sucesso como Francisco Alves, Ary Barroso, Araci Almeida, Dalva de Oliveira, Carmen Miranda entre outros.O sucesso do radio foi tão grande que os governantes passaram a perceber seu poder de influenciar a população então Vargas criou o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), órgão responsável de coordenar a propaganda oficial e censurar os meios de comunicação(radio,cinema,teatro).O DIP foi responsável pela criação de cartazes que exaltavam Getúlio e do programa de radio “Hora do Brasil” que divulgava as ações do governo, mas não teve a aprovação popular recebendo o nome de “O fala sozinho” ou “Hora da desliga”, seu substituto atual é A voz do Brasil.
Outro importante órgão da exaltação de Vargas foi o Ministério da Educação que instituía o sistema nacional público de ensino, a criação da Universidade do Brasil, a Reforma Universitária, com a criação e padronização do sistema universitário público federal. Por meio dele tornou-se obrigatória adoção, pelas escolas, de diversos instrumentos que transmitiam a ideologia do governo entre os estudantes como:
• Instituição da disciplina de moral e civismo
• Aulas de canto coral, com repertório musical nacionalista
• Realização de desfiles estudantis nas comemorações de datas cívicas
• Adoção de livros didáticos que promoviam o culto a Getúlio e seu governo

2 comentários: